Social:
sábado, 11 agosto 2018 07:37

Há muita competição e bullying entre jovens médicos

Competição entre jovens médicos que estão a especializar-se é intensa e alguns são insultados e catalogados como incapazes. Há médicos a tomar ansiolíticos e antidepressivos para conseguirem trabalhar

Fala-se muito em violência contra os profissionais de saúde no local de trabalho, mas há um outro tipo de violência que é pouco conhecida, o bullying (exposição sistemática a humilhação e a comportamentos hostis), e que preocupa dirigentes sindicais e da Ordem dos Médicos. É a "violência de médico para médico, de chefias para subordinados e dentro do mesmo grupo", descreve Nídia Zózimo, dirigente da Federação Nacional dos Médicos e chefe de equipa no serviço de urgência do Hospital de Santa Maria (Lisboa). "O bullying dentro da profissão é muito preocupante", afirma.

Mais populares

  • i-album
    Incêndios florestais

    Incêndio de Monchique dominado. Foi o maior do ano na Europa

  • Atletismo

    Nelson Évora na final do triplo salto

  • Ambiente

    Jacinda Ardern anuncia que a Nova Zelândia vai proibir os sacos de plástico

“Isto está seguramente a aumentar, tal como o burnout também se está a agravar. A desilusão e a desmotivação são motivadas pelas condições de trabalho e pela má organização", explica. Com muitos médicos internos em formação, a competição entre os jovens profissionais é "intensa". Há jovens que são "insultados, catalogados como incapazes e isso é o pior que lhes pode acontecer".

Saem do curso com muitas expectativas. Depois, é o "choque com a realidade: trabalham 40 horas por semana, quase todos são obrigados a fazer horas extra e há alguns que chegam a fazer três urgências de 24 horas por semana", prossegue. "Os que têm coragem de protestar são qualificados como quezilentos e acabam por se ir embora. Os mais idealistas, os bonzinhos, são os que sofrem mais e muitas vezes são vítimas de bullying. Alguns entram em depressão", afirma. Há casos de suicídio, uma realidade escondida, mas que é preocupante. A taxa de suicídio entre os médicos é muito superior à da média da população, enfatiza a médica que coordenou o maior estudo sobre burnout (estado de exaustão emocional associado ao stress profissional crónico) na classe médica feito em Portugal.

O presidente da secção regional da Ordem dos Médicos, Carlos Cortes, também está preocupado com o aumento de casos de assédio moral. Nos tempos da troika, recorda, "as pessoas andavam muito descontroladas e descarregavam nos profissionais de saúde". Agora,"o maior problema é o assédio moral, os internos estão muito pressionados para executarem tarefas que nada têm a ver com a sua formação", considera. "Os directores de serviço estão muito pressionados e pressionam os profissionais e há muitos médicos a tomar ansiolíticos e antidepressivos para conseguirem trabalhar", descreve.

A profissão mudar muito nos últimos cinco anos. "De um emprego confortável e bem remunerado passou-se para uma actividade sem condições e em ruptura permanente”, diz. “Nunca sabemos o que vai acontecer em cada dia”.

FONTE - Público

Ler 591 vezes