Social:
quarta, 11 julho 2018 14:37

Ordem dos Médicos pede resolução rápida dos problemas identificados na MAC

A Ordem dos Médicos apela à administração do Centro Hospitalar de Lisboa Central para resolver rapidamente os problemas identificados pelos profissionais da Maternidade Alfredo da Costa.

A secção regional do Sul da Ordem dos Médicos apela à administração do Centro Hospitalar de Lisboa Central para resolver rapidamente os problemas identificados pelos profissionais da Maternidade Alfredo da Costa e do hospital São José.

O presidente do conselho regional do Sul da Ordem, Alexandre Valentim Lourenço, considera que o pedido de demissão apresentado por chefes de equipa da Maternidade Alfredo da Costa (MAC), em Lisboa, vem demonstrar a incapacidade que os profissionais estão a sentir para “poderem responder às necessidades dos doentes”, recordando que se segue a um pedido de demissão de chefes de equipa do hospital de São José por dificuldades sentidas na urgência.

Espero que a administração do Centro Hospitalar de Lisboa Central cumpra as suas funções e resolva rapidamente os problemas”, afirmou à agência Lusa Alexandre Valentim Lourenço, que é igualmente médico especialista em ginecologia e obstetrícia.

O responsável lembra que a escassez de profissionais é comum a várias maternidades do país, nomeadamente da região Sul, e que os problemas de cada unidade acabam por se repercutir nas outras maternidades, que funcionam muito em rede.

Chefes de equipa de urgência e obstetrícia da Maternidade Alfredo da Costa apresentaram a sua demissão à administração, que afirma que a situação “está controlada e ultrapassada”.

Os profissionais que assinaram e entregaram a carta, a que a agência Lusa teve acesso, indicam que há falta de recursos humanos e que os profissionais estão exaustos.

Fonte oficial do Centro Hospitalar de Lisboa Central, que integra a Maternidade Alfredo da Costa, indicou que a carta foi entregue, mas que os profissionais se mantêm em funções e que a situação se encontra “controlada e ultrapassada”.

A mesma fonte oficial indicou que a administração esteve esta quarta-feira de manhã reunida com profissionais da MAC e que garantiu estar a estudar um reforço das equipas, “numa lógica abrangente de toda a área metropolitana de Lisboa”.

Na carta de demissão, os profissionais referem que a MAC tem apenas 27 especialistas médicos que realizam serviço de urgência de dia e de noite e que uma dessas profissionais se encontra de baixa por gravidez de risco. Dos 27 especialistas, 13 têm mais de 50 anos e sete têm mais de 55 anos.

O número de horas extraordinárias feitas pelos profissionais já excede “há vários meses” o que está previsto por lei e também as equipas de enfermagem se encontram reduzidas e igualmente em exaustão.

FONTE - Observador

Ler 217 vezes