Social:
sexta, 22 junho 2018 19:16

Bastonário quer maior regulamentação para a telemedicina para a culpa "não morrer solteira"

"A regulamentação que existe neste momento para a medicina à distância ainda é incompleta", alertou Miguel Guimarães.

O bastonário da Ordem dos Médicos defendeu esta sexta-feira uma maior regulamentação da telemedicina nos hospitais portugueses, na sequência da morte de uma doente examinada por telerradiologia no Centro Hospitalar do Oeste.

"A medicina à distância é uma questão que já existe, mas é nova. A regulamentação que existe neste momento para a medicina à distância ainda é incompleta", alertou Miguel Guimarães, em declarações à agência Lusa.

"O exame é feito fora, mas a responsabilidade tem de ser de alguém e não pode morrer solteira", sublinhou.

Segundo o bastonário, a "medicina feita à distância ou as consultas feitas através do telefone não têm enquadramento legal, de alguma forma violam até o próprio código deontológico da Ordem dos Médicos". É preciso "repensar muita da regulamentação que existe para a medicina à distância de uma forma geral".

Neste sentido, anunciou que vai, na segunda-feira, pedir informações ao Ministério da Saúde e aos directores clínicos dos hospitais, que têm meios de diagnóstico contratados através de empresas. "É preciso perceber o que é que os contratos que os hospitais estão a fazer com estas empresas prestadoras de serviços salvaguardam relativamente à qualidade e responsabilidade dos serviços externos."

Miguel Guimarães defendeu que "algumas urgências polivalentes deviam ter radiologistas durante 24 horas, até porque, ao não terem radiologistas, ficam obrigadas a fazer mais vezes ecografias, que é o meio de diagnóstico mais inócuo".

O bastonário reiterou as suas preocupações sobre a falta de radiologistas, a partir da 1h, nos hospitais do Serviço Nacional de Saúde das regiões norte e sul do país. "Uma coisa é ter exames realizados à distância e outra coisa é o próprio radiologista poder tirar dúvidas e falar com o doente, com o cirurgião ou com o médico de medicina interna", frisou.

Sobre o caso de telerradiologia no Centro Hospitalar do Oeste (CHO), o bastonário confirmou que, ainda em 2015, foi aberto um inquérito disciplinar contra o profissional em causa na Ordem dos Médicos, desconhecendo eventuais conclusões, na sequência de exposições da Entidade Reguladora da Saúde (ERS) e da Inspecção-Geral das Actividades em Saúde (IGAS).

O bastonário defendeu que o caso na unidade de Torres Vedras do CHO deve ser investigado pela IGAS e pelo Ministério Público, face às discrepâncias entre o diagnóstico e o relatório de autópsia da doente.

Num relatório conhecido na quinta-feira, a ERS obrigou o Centro Hospitalar do Oeste (CHO) a adoptar regras específicas para os prestadores de serviços, que garantam a qualidade do serviço e a articulação entre os profissionais, na sequência da morte de uma doente examinada por um radiologista em prestação de serviços à distância.

Confrontado pela família e com resultados díspares da Tomografia Axial Computorizada e da autópsia, o CHO tentou ouvir aquele profissional, mas sem sucesso, e, por não dispor de "autoridade disciplinar sobre ele", veio a suspender a respectiva prestação de serviços, abrindo um novo concurso e, mais tarde, implementando nos cadernos de encargos dos concursos o que foi exigido pela ERS.

FONTE - Público

Ler 365 vezes