Social:
terça, 14 novembro 2017 19:56

Marcelo lança "apelo pedagógico" aos portugueses para que previnam diabetes

"Mais vale prevenir do que remediar. Isso passa pelas pessoas, pela maneira como vivem, e por estarem despertas para o seu estado de saúde, por estarem atentas", declarou o Presidente da República, destacando que a diabetes é "um problema dos menos jovens", mas que "também aparece noutras idades".

O Presidente da República lançou esta terça-feira "um apelo pedagógico" aos portugueses para que previnam a diabetes, salientando que em Portugal há cerca de 1,2 milhões de pessoas com esta doença.

Marcelo Rebelo de Sousa falava na Associação Protectora dos Diabéticos de Portugal, em Lisboa, que visitou esta terça-feira - num acrescento de última hora à sua agenda - com o ministro da Saúde, Adalberto Campos Fernandes, no Dia Mundial da Diabetes.

"Mais vale prevenir do que remediar. Isso passa pelas pessoas, pela maneira como vivem, e por estarem despertas para o seu estado de saúde, por estarem atentas", declarou, num "apelo pedagógico a todas e a todos" os portugueses.

O Presidente da República defendeu que "o seu papel é fundamental, de cada uma e de cada um", dando um testemunho pessoal: "Todos nós temos nas nossas famílias casos de diabetes, e eu devo confessar que às vezes me irrito um pouco com aquelas ou aqueles na nossa família que facilitam, não levam a sério, não acompanham".

O chefe de Estado referiu que em Portugal há "10% das mulheres grávidas com diabetes", e que este é, portanto, "um problema dos menos jovens", mas que "também aparece noutras idades".

Na sua intervenção, de cerca de dez minutos, Marcelo Rebelo de Sousa elogiou a Associação Protectora dos Diabéticos de Portugal e os seus voluntários, realçando que é a mais antiga associação de diabéticos do mundo, criada em 1926: "Fomos os primeiros a ter uma entidade associativa que nasceu para lidar com essa nova realidade que era a diabetes".

"Agora, importa que continuemos os primeiros a lidar com ela. Isso depende de vós", acrescentou.

FONTE - Público

Ler 17 vezes