Social:
quinta, 12 outubro 2017 09:26

Níveis de poluição. DGS recomenda cuidados redobrados na exposição ao ar livre

A Direção-Geral de Saúde e a Agência Portuguesa do Ambiente recomendaram cuidados extra na exposição ao ar. Os incêndios e a atual condição meteorológica tornaram a qualidade do ar fraca.

A Direção-Geral da Saúde (DGS) recomenda à população mais vulnerável que tenha cuidados redobrados na exposição ao ar livre por causa da poluição atmosférica devido aos incêndios e às condições meteorológicas.

Numa nota conjunta, a DGS e a Agência Portuguesa do Ambiente (APA) recordam que ocorreram nos últimos dias “excedências ao limiar de informação ao público do ozono” e “aos valores-limite de dióxido de azoto e partículas em suspensão em algumas zonas do território do continente”.

Este episódio de poluição atmosférica está associado à situação meteorológica atual, que tem “condicionado a dispersão dos poluentes atmosféricos, sendo também resultado da influência dos incêndios florestais que têm deflagrado nos últimos dias, com libertação de poluentes para a atmosfera”, refere a informação disponível no site da DGS.

Estes poluentes libertados para a atmosfera têm efeitos na saúde humana e, como a qualidade do ar é considerada fraca, a DGS aconselha cuidados redobrados às populações mais vulneráveis, designadamente “crianças, idosos, grávidas, pessoas com problemas respiratórios crónicos, principalmente asma, e doentes do foro cardiovascular”.

Os doentes crónicos devem manter os tratamentos médicos em curso e, em caso de agravamento de sintomas, contactar a Linha Saúde 24 (808 24 24 24) ou procurar uma unidade de saúde.

A população em geral deve evitar a exposição a fatores de risco, tais como o fumo do tabaco e o contacto com produtos irritantes, recorda a DGS.

Tanto a APA como a DGS alertam para “uma persistência das condições meteorológicas, desfavoráveis à dispersão dos poluentes, nos próximos dias, com efeitos diretos na qualidade do ar e a ocorrência de eventos naturais de partículas nas regiões do Alentejo e Algarve”.

FONTE - Observador

Ler 186 vezes