Social:
Presidente avisa que solução rotativa para resolver falha em urgências para grávidas no Verão na Grande Lisboa "tem de ser esclarecido e explicado". Bloco chama ministra da Saúde ao Parlamento.
O Presidente da República disse que é preciso explicar claramente às pessoas o que vai acontecer “porque não é possível fechar as maternidades”.
O deputado do PSD Ricardo Batista Leite explica que Marta Temido foi questionada sobre os problemas nos serviços de obstetrícia e ginecologia e nada disse sobre a situação de Lisboa, que já era do seu conhecimento.
Nos partidos à esquerda, o problema está identificado: a “falta de profissionais de saúde e de especialistas”. Para o minorar é necessário, acabar com a “promiscuidade entre o público e o privado”, diz Catarina Martins.
"Este processo está um pouco confuso e é bom ser claro. Em primeiro lugar, ainda não foi aprovada uma Lei de Bases à esquerda porque o Partido Socialista não quis até agora fazê-lo", disse.
Em declarações ao PÚBLICO o presidente da Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo adianta que o esquema de fecho das urgências pode começar logo no início de Julho, embora seja a partir da segunda quinzena que o problema se agrava.
Pág. 1 de 448