Social:
Forumenfermagem

Forumenfermagem

Outro estudo apresentado no Congresso Nacional de Oncologia, que decorre até sábado, indica que 78% dos inquiridos com histórico familiar de cancro não chegaram sequer a realizar teste genético, mais de metade por falta de indicação médica.
Morreram 17 mulheres em 2018 por complicações na gravidez, parto e pós-parto.
Grupo de trabalho criado pelo Ministério da Saúde para melhorar as urgências lembra que os problemas identificados há 17 anos se mantêm actuais. Peritos também propõem equipas fixas de urgência e uma nova especialidade médica.
Morreram 17 mulheres na sequência de complicações na gravidez, parto ou puerpério. Só três destas mulheres tinham 40 anos ou mais. Directora-geral da Saúde está “preocupada”.
A new study published in the journal Nature shows that stem cells do work well to repair the damaged heart – but in an entirely different manner than was originally supposed. The study shows that stem cells, whether living or dead, when injected into the area of damage in the heart in mice, activate an intense acute inflammation. This triggers the classic wound healing response which finally results in the partial or complete recovery of mechanical function of the injured area.
IPSS criada pela congregação religiosa Irmãs Adoradoras assinala esta sexta-feira dez anos de actividade no distrito
quinta, 28 novembro 2019 07:55

Ostomia, corpo e intimidade

A intimidade, o toque e o contacto sexual são das dimensões mais afectadas por uma ostomia. No entanto, raramente são colocadas aos profissionais questões relacionadas com o medo de um corpo não desejado, o receio do toque, da alteração da sensibilidade, da presença de dor ou de qualquer disfunção sexual manifestada.
As mulheres são geralmente diagnosticadas mais tardiamente do que os homens e, quanto mais velhas, mais demoram a ser diagnosticadas em relação ao momento em que a infecção foi contraída.
Hoje, mais do que nunca, a participação da sociedade civil é imprescindível para garantir que o VIH e a sida são eliminados até 2030.
Em resposta à líder parlamentar do CDS-PP, Cecília Meireles, que criticou o tempo de espera para a primeira consulta de cardiologia de 1482 dias no hospital de Padre Américo, Costa contestou o dado e disse que o número certo era 593 dias. Quatro horas depois, o Ministério da Saúde afirmou que esse número se refere aos doentes à espera de primeira consulta de cardiologia há mais de um ano.

PUBLICIDADE 2